sábado, 27 de maio de 2017

tempo feio

hoje a esperança não veio
pode ter sido pelo tempo feio
ou quem sabe pela chuva que virá...
Será que meu amor partiu?!
pois meu coração esta em pedaços,
de repente um aviso?!
sinto frio,
Será esse meu fim!
se Deus quis assim,
nos dois separados
eu aqui neste quarto confinado...
junto os cacos enquanto espero a chuva.


Gilliard Xavier

O que dizer da chuva

O que dizer da chuva?!

Ela vem e passa...

como tudo.

Gilliard Xavier

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Tempo perdido

Um tempo se esgota,
e começa outro...
Tenha paciência!
Quem sabe o tempo lhe ajude
a entender.

Gilliard Xavier

domingo, 10 de julho de 2016

pobres poetas

As incertezas e o amor
as paixões e desilusões,
as dores d'alma...
Pobres poetas!
Se alimentam de sentimentos
com sabor de sofrimento.
Mas são só  momentos,
hora muda,
tudo floresce e some o breu...
E essa dor que doi como ferida
muda a vida,
E ele, coloca mais tinta
e segue a escrever...
Mesmo porque a insónia
persiste ele tem que viver.

Gilliard





Saudades

Que saudades de você,
onde foi que se escondeu!?
Que meus olhos não  á encontram.
Onde estas?
 Seu perfume que não sinto,
pelo ar...

Onde estas?
Que não escuta minha voz,
gritando seu nome,
essas linhas tênues do destino
passam por caminhos que percorro
é não á vejo. 

Essas noites escuras me confundem,
com sonhos fantasiosos ,
e esse som do mar quebrando as ondas 
dificultam escutar teu canto
onde foi que você se escondeu?
Onde foi que se perdeu de mim?


Gilliard Quadrado Xavier

Leve á vida

A vida nem Freud explica!

Nem tente, entende-la,

Apenas leve á vida

ou á vida leve...


Gilliard Quadrado xavier

Lembranças

Será que me esqueceu?
onde estão todas as lembranças!
aquela segurança,
o sabor do beijo, calor do abraço.

Aquele amor declarado,
lado a lado,
aquecido em meu peito.
Será que me esqueceu?

Não me responde,
não me houve mais,
Não me vê...
Como aguenta?!

É realmente, não tem jeito,
estou só!
tanto tempo longe,
escondendo-se entre tempos e carinhos.

E eu! desfrutando desse sabor amargo
que se chama solidão...
Meu coração, desacelera, desfalece 
se debate com esse tal sofrer.

Como para com esse desatino?
essa dor, que não para de doer.
essas memorias que se desfazem 
ao longo do tempo.

essas entre linhas do destino
que se cruzam entre realidade e delírios...
Será que me esqueceu
ou eu que lembro demais...

Gilliard Quadrado Xavier

domingo, 12 de junho de 2016

Enamorados

Enamorados

Hoje dia frio!
Dia romântico!
Abra um vinho, duas taças...
Abra o livro do Neruda
Abrace seu amor,
E declame um poema...
renove seu amor.

Gilliard Xavier

quinta-feira, 5 de maio de 2016

As faces da moeda

Quanta indiferença e desigualdade
sofre nossa humanidade.
com essa doença que transforma o homem em semideus,
é uma grande fatalidade.

Uns trabalhando pelo pão de cada dia e por sua família,
outros pelo caviar de todo dia e seu bem próprio.
Uns pela água que mata a sede,
outros pela riqueza e o gasto em vão.

Essa relevância:
 faz a maioria contar suas moedas,
outros, encher seus bolsos e suas cuecas.

Pois então: o mundo gira,
o povo se ilude, o tempo passa,
e ele esquece, a prece e come o pão.


Gilliard Quadrado Xavier

terça-feira, 3 de maio de 2016

constantes momentos

Constantes momentos

A coisas inexplicáveis,
Que a mente humana não aceita
Que a vida só adia...
como os sonho que não saiu do papel,
Uma viagem de ida,
Uma historia perdia
O desencontro do amor,
Quem sabe tudo isso pode ser
um pensamento passageiro!
Ou um devaneio!
uma loucura de momento,
Sem tempo!
Preciso organizar meus pensamento sem
Rum e gelo...
Como procurar a felicidade?
no amanhã e não viver seus anseios de hoje.
Isso é ser infeliz!
Oque você me diz?

Gilliard Quadrado Xavier

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Inspiração

Os pensamentos,
veem, surgem,
Brotam,
e eu,
Apenas os escrevo...

Gilliard Quadrado Xavier

quinta-feira, 31 de março de 2016

Amar ou morrer

Quando eu morrer,
Vejam se não foi de amor...
Pois a dor, me persegue e me consome, entranhada em meu peito.

Será  que morro desse jeito?!
Quem sabe caio ao leito e morro de amor.
Pois minha vida é
amar ou morrer...

Gilliard Quadrado Xavier



domingo, 13 de março de 2016

Dores da Alma

Estranhas fendas
surgiram no meu corpo,
fendas escuras,
ferem como chagas,
transformando meu sorriso
num mar de lágrimas,
Essas que caem como sangue
aumentando meu sofrimento...
 Neste lamento que fere a alma
e contempla a dor.
Trazendo para o mundo
o meu sofrimento amargurado
por forças que meus punhos não
vencem e meus olhos não vêem...


Gilliard Quadrado Xavier

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

temporal de emoções

Temporal de emoções

A chuva chega,
o tempo fecha
Caí, corre e molha
Temporal a vista
E eu pobre infeliz
 cheio de sentimentos
Na sua janela a espera,
de um boa noite um aceno
Caí a chuva e sopra o vento
E eu sei que não tenho jeito
Fico a esperar, esperar...
As luzes piscam e se apagam
E tornam a acender
Mas eu em minha ignorância penso que foi um sinal
Nada anormal é apenas queda de luz...
Acordo na calçada com a alvorada estrelas ainda se escondendo
Mais um dia chegou
Acordo do sonho e nada mudou.

Gilliard Quadrado Xavier

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Um verso poético

Um verso poético
A poesia me faz pensar
Pensar me faz escrever
Escrever me faz lembrar
 de você. ..

Gilliard Quadrado Xavier 

domingo, 13 de dezembro de 2015

Você

Você

Adoro teu sorriso
Teu jeito meigo ser
Teu olhar penetra no meu
e fico bobo.
Gosto de teus lábios  por um todo
e de teus beijos quando sao meus
Gosto do teu decote e da tua pele sencivel,
suave a meu toque. ..
Gosto de você  inteira, sem frescura
Linda e pura.
Olhar forte de menina,
Em corpo de mulher,
Voce é assim quando me quer
Seu sorriso não disfarça
Vejo isso em seu olhar
Sinto isso no seu beijo
O quando de desejo
 essa paixao pode dar...

Gilliard Quadrado Xavier




sábado, 5 de dezembro de 2015

minha vida

Que a vida seja calma
e passe de vagar...
 e eu consiga aproveitar cada momento como se fosse o último
Que as pessoas que por ela passar fique, e aquelas de fe, nem que seja na lembranças
Que as amizades que tenho durem por mais que algum longe estejam
Que a familia sempre seja meu foco...
E que Deus me mostre o caminho certo quando as minhas dúvidas se apresentarem
Que minha vida seja ao lado de quem me quer bem
Pois não basta so meu querer !
Que assim seja de mancinho e pra frente
Pois meu futuro a mim pertence
E acada dia vou montando minha jornada...
Que meus filhos se lembrem do pai que os ama.
Que a vida assim seja...

Gilliard Quadrado Xavier

domingo, 15 de novembro de 2015

Eu não perdi a esperança!



Pois a esperança nos da força para irmos em frente,
A esperança nos faz, sonhar eo sonho nos faz viver.
E a vida, eo que temos de melhor fruto de conquistas e batalhas
Batalhas essas diárias árduas e aguarridas
Contra a desigualdade, a política,  a fome, a violência, a mentirá,  a desonestidade, etc...
Mas isso é uma luta constante sempre vai existir desde Cabral a desigualdade é fruto,
Eo mundo é injusto,
a difernça e quando esse tipo de coisa acontece como será nossa reação,  indiferente de povo, nação,
temos que acreditar dar apoio... Pois se fraquejarmos será um a menos no front...
A esperança não  pode morrer e que a paz volte
 ea humanidade seja mais solidaria
com seu próximo,
mesmo que ele longe esteja...

Gilliard Quadrado Xavier

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

chuva de amor

A chuva inunda as raizes
Lava o pó,
Corre ao mar,
E eu, fico aqui a esperar
Uma estiada para te encontrar
Um guarda chuva só,
Vamos nos molhar...

Gilliard Xavier 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Filho, amor meu!

Filho,
não à há palavras 
que eu escreva, 
nem palavras 
que eu fale, cante, 
que demonstre 
a grandeza do meu amor,
 pelo seu sorriso,
Pelo seu olhar,
Pelo seu jeito,
Podemos ate brigar
 mas é tão simples a magoa passar 
que é quase espontâneo, 
Você vem com seu sorriso 
De mansinho e muito carinho
Chamando me de paizinho 
Dai tudo passa,
 eu nem lembro o que aconteceu...

O amor é assim ... Amor meu. 

Gilliard Xavier 

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Meu consumo


Há vida,

Ah! essa vida...

vezes fácil, vezes difícil

mas viver a vida é assim

uma descoberta diária

que acontece de repente

e pronto, ai esta sua vida

 pronta para o uso...

Gilliard Xavier





O amor nunca acaba


Amor me beije sob o luar de mil estrelas
Deite nesse leito onde nossos corpos se fundiram num so.
Sinta no meu peito um coração que é seu
Esse é único som que escuraremos junto com o  bater das ondas pelo vento...
Eo tempo,
Ha esse não passa é cúmplice nos une ate pune...
Mas nesse sonho  que relembro tenho as estrelas como testemunhas
que o amor nunca acaba...
Ele nasce, cresce e transgride pelas vidas futuras
Entre as curvas do seu corpo
e do tempo
Que nos une ...aos poucos
E nos pune com a distância...
O amor nunca acaba
Pois quando te vejo me sinto vivo,
Mas sobrevivo com as lembranças
Mas tenho esperança
Pois o amor nunca acaba...

Gilliard Xavier

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

meu pensamento me condena

meu pensamento me condena
 quando penso em você
sinto as vezes até vontade de morrer...
mas não ,
essa paixão vai alem da vida.
fecho os olhos e penso,
 e só você que vem como uma doença que me mata aos poucos, sem saída,
pois minha vida é pensar em você..
as vezes duro e acordo pensando
em como seria,
 e vem a realidade essa doi,
 fere e machuca e fica a saudade,
 E que o tempo passe o e vento vire
 eu volte a te ver...
 Esses são os momentos
 que realmente importante
 e me fazem sonhar
com o amanhã
junto com você...





Gilliard Xavier

domingo, 30 de novembro de 2014

o passageiro


A vida é uma novela,
 que quando você menos espera
 ela se rebela e perde a cena
e você fica na espera
 e perde o trem,
outrora outro vem,
 que pena...

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Água Chiada

Este chimarrão que sirvo agora

com esta água chiada

com esta erva  quase virada

por mais de hora, cevo sozinho...

Penso, na distância e como te alcançar-te a cuia

te homenageio minha mãe

com estas singelas palavras, com esse mate,

mesmo a distância a nos separar, agora 

chimarrearemos outrora

em outras caminhadas ou 

quando refazer o mate...

Estas palavras foram ressaltadas no último dias das Mães...


Gilliard Xavier

domingo, 23 de março de 2014

Amor ao relento

Quero envolve lá em meus braços
 para a proteger do vento
quero seu corpo mais um tempo
Quero teus lábios,
Quero teu todo,
Sinto o quebrar das ondas na
 maestria do mar
Iluminadas pelo luar
Seu corpo meu corpo
O orvalho nosso leito
Vejo o brilho de teus olhos,
 teus cabelos ao vento,
 pois só agora acredito esse momento é real...
A noite vai se sumindo,
E esse a amor fatal me ameaça
Me deixa imune as vezes ate me pune
Mas hoje, é, o agora, eu, você  e as
 ondas ate o chegar da Aurora...

Gilliard Xavier

terça-feira, 11 de março de 2014

maremoto




Os mares se agitam


O vento faz sua parte,

Os corações batem


Eo amor é cumplice ...




domingo, 9 de março de 2014

você vai lembrar de mim!

Não sei o que faço
para parar de sofrer
 o peito aperta
o coração doí
E eu aqui nesse quarto escuro...
Sem você
Fico vendo as fotos,
escutando as musicas
 chego a aspirando seu perfume
exalamdo no ar
Estou imune a esse amor...
Que você quando foi
 só deixou  dor..
Mas você vai lembrar de mim
quando seu telefone  tocar,
 quando a tarde passar
 e você vai estar sozinha
vai caminhar do quarto para cozinha
e não me ver na casa vazia...
mas assim estamos
cada um para um lado
sofrendo calados,
eu pensando em você
 e você lembrando de mim...

sábado, 18 de janeiro de 2014

Amor e poesia



Sou tão feliz ao seu lado
que nem penso o que na vida há de errado
se às vezes sou calado
 é por estar pensando em você
ou fazer, algo que te surpreenda
Conto as horas quando longe estou,
 para te ver,
vivo meus dias pensando em fazer
 poemas e serenatas...
tudo para minha amada,
 que fica esperando me na porta
 quando minha chegada...
Às vezes, sou tão seu,
que acabo esqueço-me de mim
sou assim,
uma metade de amor e
 outra de poesia...





sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

A lua e o sol: O amor impossível

não cruze meu caminho
 pois tem espinhos e você pode se ferir
mesmo espinhos não ferindo as rosas
tenho medo de sofrer ou de fazer sofrer

nada tenho que eu possa te oferecer,
a sombra da solidão me acompanha
se fundiu a meus sentimentos
deixando um vazio no peito

 Eu não tenho tempo para amar
 mas vejo o luar, e penso como foi um dia,
fico em meu delírio...
pois a lua e o sol não podem se encontrar.



terça-feira, 26 de novembro de 2013

meus sentimentos

queria eu,
que estivesse em meus braços,
queria sempre ver teu sorriso
o brilho de teu olhar
que transparecem em teu rosto
mas sei que estamos em direções opostas
isso se torna uma agonia dia apos dia 
lágrimas sobre lágrimas
as vezes me  sinto
morrendo por hora
por não poder gritar
o que sinto agora,
e aliviar meu peito...
ruas vazias por onde passo
dias escuros e o que vejo
a esperança se afasta
e eu fico na farsa de um dia...
mas a dor só aumenta
eu fico sem rumo
a esperar, esperar...
pelo momento que você seja minha.






sábado, 2 de novembro de 2013

Largado aos cantos

Largado aos cantos

Largado aos canto fico,

Chorando a sua volta

Sem ter motivos você se foi

Eu aqui fiquei a sós

Com um nevoeiro imenso

que não passa, não abre

fui perdendo teus passos

pelos longos caminhos

 da vida...

Gilliard Quadrado xavier

O mesmo de ontem


Mesmo de ontem
Esse tal silêncio oportuno
me faz esperar, os dias que não
chegam e as horas que não passam
Sempre á mesma coisa sem graça.
Da vida as feridas que fecham e tornam
a doer...
E esse coração que não para de bater,
para acabar com essa aflição
que dizem não ter cura
que chamam de solidão.

Tua falta

















Tua falta...
Lua clara imune,
ressalta á sombria noite
que pune no oculto
suas estrelas,
Deixando me a desvariar
sem ter atua beleza e
teu olhar,
fico aqui, ou lá
somente a clamar, tua falta
com o nada á ter
sentindo os beijos
de minha amada,
Deixando marcas que o tempo
não apaga
apenas a noite guarda,
em sua escuridão.

Gilliard Quadrado Xavier

Marcas




A solidão se aproxima
dia se afasta
ressaltando a noite, que caí,
manchando com cinzentas nuvens
o horizonte, afogando no mar
que ainda brilha
com o deitar do sol
caindo um andar solitário
de quem fez do luar, seu lar
juntando incertezas
colecionando amarguras
conquistando tristezas
fazendo de si
um poço sem fundo
onde lateja um coração
marcado que não sabe
o que é amor...

Saudade de meu avô




Não penso para não chorar
se choro, e´ para não falar
o que pensei...
Não existe palavras para
apartar este sentimento
de lados diferentes
horas sorrir fazendo me, outrora
magoam a gente...

Enoitar



Street, raw, moon, black
my little
a little


our very
all naked
where these


where do you come


P'ronde vas


If you have no end

Where these.


version in English of one of the beautiful poetry I've ever done ...

by Xavier Quadrado Gilliard

Ver além das letras




coleciono meus versos
com restos de passado
com incertezas do futuro,
vivendo o presente
melhor que o de ontem

Traço assim,
minhas variadas linhas
sem saber como terminam
somente com a sina
do dever realizado

Através de meus versos
escrevo o que senti
o que sinto,
e o que quero sentir
ou o mais próximo deles...

Sou o melhor que posso ser
mas não tente me entender
pois as coisas são simples
nos é que as complicamos
tudo acontece sem percebemos,

Se não entendo
o que escrevo
o que falo,
não mais falo
e não escrevo,

Sigo com as minhas incertezas
que não compreendo em silêncio
latejando em meu peito
sem tentar lhe explicar
ou me confundir.

perguntam me a que conclusão cheguei?
digo vos, não sei!
mas me sinto aliviado
por essas palavras dispersas
que ressaltei...

Extraídas do meu pensar
palavras obscuras,
rebeldes, deprimidas,
um pouco de tudo
misturadas com amor...

Esse sentimento que perturba me ao falar
por ser belo? não sei!
por estar ligado a meus versos ou
ao meu pensar,
quem sabe!

um pouco de tudo
as vezes não vale nada
se não pensar num todo
ler não é sempre o suficiente
tem que entende-los, senti los

O fim de tudo isso
é quando o sono me contrai
ou finda a tinta
acaba as letras ou
termina as linhas...

Pois não quero que percam tempo
lendo rascunhos de um insano
se nada vão compreender,
perceber,
lê por ler, tanto faz...

Se o entendimento for esse, fico ledo!
com o rusticismo das palavras
pois não me cativa bons leitores
que sejam maus entendedores
da escrita poética,

Termino aqui com meu véu
de contemplações
a quem sentiu emoções
ao ler ou escutar
um simples verso ou prosa

Sendo o que mais quero é o amor para todos
deixando assim para os poetas
as incertezas, solidão e dor
para o desabrochar de seus versos
com a certeza do amor de quem os lê.

Se por ventura algum dia alguém
se dispuser a ler esses versos
desculpem me pela falta de graça ou rima
pois minha sina,
é escrever, escrever...

saiba também que neste momento
estou muito feliz
por fazer o que quis
sem pedir nada a ninguém
ler é ver além das letras.

Gilliard Q. Xavier

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Pedaços de realidade

as vezes precisamos esquecer 
               um pouco de nossos sonhos
                        e juntar os pedaços 
                             de realidade que fomos
                                perdendo ao decorrer 
                                     de nossa vida,
                                          alinhavarmos 
                                                   e ver o que realmente 
                                                                    importa...

Doce azul de teu olhar


O suave azul de teus olhos,

faz me navegar em sonhos

Sonhos, que deslizam 

pelo verniz da madrugada,

e não para nem com a chegada 

da aurora, que por hora,

é o que me faz esperar mais e mais 

até a tua chegada.



Gilliard Q. Xavier


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

teus olhos não brilham mais para mim

São os fatos de um amanhã
ditos por um sonhador
que viu teus olhos brilhantes,
em todos aqueles instantes
por traz de um soluço oprimido
fez um coração partido 
que a fez chorar...chorar

hoje, ele que chora, soluça
com a dor do arrependimento
em te ver em outros braços
vendo seus lábios em outro se tocar
esse será seu mair lamento
sem seu amor ficar...
ficando a dor e o desespero 
e um coração à latejar




cartas ao meu amor

Meu amor, 

raramente o coração

 ignora o pensamento romântico e 

esperançoso 

que sinto agora,

por você,

mas me ilude, 

me fere, 


Palavras ao vento


A noite

A noite não é mais que


um dia apagado

com a escuridão aglomerada


de astros brilhantes...


com raios fugidos cadentes


traspassando a noite e


caindo na madrugada...





perguntas sem respostas!

perguntas sem respostas!


Oh! Lua o que me escondes
em teu noturno?
Coisas que não posso ver,
coisas escurecidas, apagadas ...
És brilhante mas não o suficiente
Se comparada as belezas alheias
do teu amigo Sol
Oh! Lua que me ocultas


Enoitar






Rua, crua, lua, negra
pouco minha
pouco sua


muito nossa
toda nua
Onde estas


Donde vens


P’ronde vas


Se nem fim tens

onde estas.

Rua crua

Rua crua

Rua crua, lua nua

luz negra

Se esbalda em desejos

mas fica sozinha

no clarear das ruas

pois as tuas são as minhas

os teus desejos são os meus...


Gilliard Q. Xavier


Ruas Vazias





Diante de teu corpo imóvel
Me sinto um fracassado
Do nada Ter a fazer...
A irá se contraindo em meu peito
Pôr assistir você
Nesse leito sem vida
Sempre tão frágil, desprotegida
a colida em meus braços.

Nesse momento, nada mais importa
Pois todas as portas se fecham quando
ainda nem saímos...
Tudo que sinto é o caos de meus sentimentos
No cortejo do teu fim, inconformado
Crucificado com uma dor infinita
Que dói como ferida perante meu pranto
Pelas ruas vazias da vida...

Lágrimas do abandono


Estou de frio
gélido ,calado
amargurado por dentro
ao despencar no horizonte
um vento soprando prudente
fico trancado carente

a congelar meu ego
sem forças, sofro
pelo frio e pelo amor,
os dois tão idênticos rompem
um peito sofrido
um coração partido
sem o acaso para o depois
que deixou me por paixões...
assim fico a sós comigo mesmo
com frio nessa noite de denso inverno
sendo o que mais queria era seu
abraço morno retirando
meu transtorno de tudo terminado
vou ficando cansado do frio
meus olhos formam rios
de lágrimas de abandono...

Quem não tem cão!

Quem não tem cão...

Em meados 

De maio,

Sai para caçar

Com meu

Gato...

As lebres estão extintas!

Catador


Catador

Cato a vida

Dia a dia

Espalhados pelos 

Cantos baldios,

Junto tudo

De onde sempre foi

Vazio.

Costuras do cotidiano





Pedaços da vida


Retalhos da noite



Junto os e




Alinhavo a




Felicidade.

Vento assanhado




Nas tardes frias do outono
o vento se transforma
arrastando tudo pelo chão
limpando as ruas
trazendo solidão
deixando um rasto de
poeira por onde passa
fazendo graça 
para uma guria faceira
que ri na calçada
sem saber o que viu.

A vida no extremo



Te vejo diferente, ignoro
tua prepotência por ser assim
não ligo, para o que os outros falam
só importando o que sinto...
Admiro e aprecio tua beleza,
teu andar desfila resplandecendo o
olhar de todos, faz as coisas serem
diferente ...


Tua beleza é descontente para as que
invejam, que se debatem contra si mesmo
a noite te fez assim!
Muitos a ganhar teu corpo,
muitos a ganhar teus beijos,
Mas teu amor , esse sim a vida
te ensinou bem a escolher .

Só mente


Mentes inquietas

Mentes espertas


Sinceras ,doentias

Mentes vazias

Mentes rebeldes

Mentes canalhas

Só mente                                                                                      Ao passar do tempo Continuam igual

A maltratar , Abandonar

Sempre as mesmas

Em pessoas diferentes

Mentes, só mentes

Por mais que tentem

Não conseguem mudar.

tempestade

Tempestade




A chuva caí com extrema agressividade,
tudo que vemos um lago, um mar;
não temendo obstáculos lavando o pasto
rompendo construção não medindo
forças para limpar seu caminho...
natureza descontrolada!
não calma nem com o meio dia;
destruindo o que há pela frente, não
se importando com o sofrimento da gente...
vendo tudo arrastado, ficando com a
tristeza ao lado...
sabendo o que não encontrar quando gotas
violentas caídas com desespero voltadas
para a destruição ...
pela frente, vimos tudo com os olhos caídos
e pulsos atados com o desespero de nada fazer...
nada esperar...da tempestade , que não passa.



Gilliard Q. Xavier




Versos de meu pensar



Não quero tudo, pois tudo é muito
para um simples como eu
Quero apenas um pedacinho
de quase tudo.
Aproveitando cada instante
com perseverança e sabedoria
aproveitando e vivendo
o pouco que tenho
fazendo muito de tudo
crescendo com a vida
e aprendendo com a realidade
criando historias de onde só
existe fatos
levando a vida a quem
não se proporciona vivê-la
vou formando versos
de onde só existe palavras
no fundo dos meus
pensamentos.



Gilliard Q. Xavier

Flor de lis



Flor de lis
Quero teu bálsamo
envolvendo meu corpo
Quero teu abraço morno
mais um pouco
Quero ver as flores de teu jardim
Flores de lis
Que brotam de uma beleza
prematura
Deixando sem cura a dor da perda
Afugentando a coragem
Hoje sobre teu leito
a verdade se torna crua e suave
Deixando lindas folhagens
ao relento molhadas
em gotas de orvalho
sobre teu corpo pálido
se fundem com lágrimas
de meus olhos
Que fingem não sentir
a invasão do silêncio
por gritos de agonia
os mesmos que velam
tua alma solitária
no cair da madrugada.

Gilliard Q. Xavier

Lágrimas do Abandono

Lágrimas do Abandono

Estou de frio,

gélido caladoamargurado

por dentro

ao despencar no horizonte

um vento soprando prudentefico

trancado carente...

congelando meu ego

sem forças,

pelo frio,

pelo amor.

dois tão iguais rasgam meu peito sofrido,

um coração partido

sem o acaso para o depois

deixou me por paixões...

assim fico a sós

com frio nesta noite de denso inverno,

sendo o que ou mais queria

era seu abraço ,

morno,

retirando meu transtorno de tudo terminado;

vou ficando cansado do frio

meus olhos formam rios
de lágrimas do abandono.

Noite escura

Noite escura

A noite afaga meu

choro caindo aos meus pés

sem explicação

tudo vira um tormento

Já não há mais tempo

Cai a noite,

escondem as estrelas

na imensidão da neblina

Tudo fica tão triste,

obscuro,

inseguro começando a pingar ,

Lágrimas de um amor sincero espero ,

que tudo passe,

quando o sol voltar a brilhar...

domingo, 22 de setembro de 2013

Meus misterios

Não sei o que vejo,
Se é concreto ou abstrato 
sinceramente não sei!!
Pois não estou lucido o suficiente
para ser conclusivo...
As vezes vejo luz outras escuridão
Só sei que algo se esconde em meu coração
me deixando imune sem defesas
 para essa paixão,
ora me faz bem,ora me faz mal...


Gilliard Q. Xavier

Queria ser um poeta



Queria ser um poeta, 
mas não posso ser...
pois o poeta pensa em tudo,
e eu, só penso em você.

  Quando penso em você,
 me sinto melhor, 
vejo um amanhã melhor, diferente...
acho que fico meio bobo de amor
ou qualquer coisa assim, 

 Vejo flores no jardim 
desabrochando com o amanhecer 
de primavera, 
as vezes fico na janela, 
a tua espera,

Mas não vens e eu torno a pensar 
como queria ser um poeta 
para pelo menos imaginar
você despertando em meus braços a me beijar...



Gilliard Q. Xavier

quinta-feira, 5 de março de 2009

O CORAÇÃO DO POETA



É COMO SE FOSSE UM LAGO ADORMECIDO,






SÓ CRIA ONDAS COM UM VENTO VARRIDO...




SUAS DORES SILENCIAM NA IMENSIDÃO DO NOTURNO




COMO SE FOSSEM AS FORÇAS DE NETUNO...




ORA CALMO, ORA AGITADO


ORA, SEM RUMO




COM VENTOS DE OUTRORA...











Gilliard Quadrado Xavier

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Indiferente



Mulheres, mulheres
Sempre iguais
Viviane
Lidiane
O nome pouco importa como:
Patricia
Carla ou
Camila
Pouco muda,
Gessica
Mirele ou gisele
Mulheres diferentes
Pensamento igual,
Como a
Cárol ou a
Karina até a
Marina
Desde pequenas, pensando
Apenas na roupa que vão vestir,
Hoje ou no dia seguinte ,
Assim como a
Ingrite a
Maria e também a
Márcia
Todas inconseqüentes,
Mas excitantes como a
Daiane
Cayane e a
Marlene
O nome pouco importa
Pois são todas iguais...


Gilliard Q. Xavier

Estatua Prateada uma homenagem, a estatua viva da esquina democrática!!!



Estatua Prateada

A o passear por teus arredores

sinto tuas vibrações

mas não vejo teus movimentos

Es imóvel até quando queres

reluzente brilhante para uns

apenas estatua para outros,

pois nem tudo importa,

Seu corpo veste prateado

com sua pele opaca,

A beleza de teu parecer

é inquietante para os que

apreciam a magnitude de teu olhar,

olhar paralisado faz resplandecer

as tardes do Andradas

não importando o nada de alguns ,

mas sim o tudo de poucos.

Uma trilogia poética em homenagens para "as Mulheres"


Mulher
Quero teu mel, como se fosse teu dono

em muitas noites sem sono

após nosso encontro

fico a andar, vagar,

pelos noturnos das ruas na procura

de tuas curvas para apreciar;

mulher majestosa, glamurosa

a mais bela criação

surgiu do nada e desabrochou

entregue se aos desejos da alma

e liberte seu coração

se quiseres assim fico

de braços afoitos na espera

de beijos de tua simples boca

para relatar tuas paixões,

ficando apenas sussurros

de uma noite de amor...




Mulher carente

Caio em tuas curvas,

Sedentes;

Acolhido por seus braços

Fico a mirar teus traços

Imune de desejar o inesperado

Ficando ao seu lado ,

Fascinado;

Por vastas caricias recebidas

Toda despida e inconseqüente;

Mulher carente

Se mostra diante de meus olhos

Ressaltando sonhos perdidos

Loucuras impreensendiveis ,

Diante do céu repleto de estrelas

Não se importando com o pedido

De ser minha amanhã...

Ficando visíveis a causa do desejo

sendo seus beijos a força da paixão

fico sedente

com um olhar inocente

a espera dessa mulher carente...



Menina inocente

Perto ou longe

Giro, penso, imagino

Até sonho

Com o teu doce beijo

Andando, fico a tua procura

E também de teu olhar

Fazendo me amar

Mais a vida ,

Por seres meu destino

Nem imagino me

Longe de teu calor,

Teu fervor é o que

Mais quero

Sempre espero,

A hora certa para navegar

Em tuas curvas

E naufragar em teus oceanos

Suspensos em teu olhar,

Que me faz delirar com

Teu sorriso de menina

Frágil,

Indefesso e

Inocente, menina...


Gilliard Q. Xavier

Viver o melhor ou fugir do pior!!!


São coisas que nos perguntamos

e não sabemos diferenciar...

essas são nossas delimitações


em assumir a realidade e

acordando de nossos sonhos,

que acordados sonhamos,

não percebendo que os dias passam

cada vez mais rápido...


Gilliard Q. xavier

Mãe, Tu és...





Mãe,
Tu és. Assim Tu és
O máximo dos máximos
O centro do meu mundo,
Meu refugio, meu tudo...
És meu colo,
quando preciso de afago;

És meu claro,
quando fico no escuro...
Tuas palavras soam como
melodias quando faladas,

Tens também a experiência
que me apresenta a vida,
e a sabedoria que ensina
a enfrenta lá...

És a minha inspiração
Quando escrevo coisas belas
tenho em minhas palavras
seu carinho
em meus versos seu amor...
Mãe!!!



Esta poesia é uma forma singela de homenagear uma pessoa especial " minha mãe",

mas servem para todas as mães...




Gilliard Quadrado Xavier






terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Anoitecer




Anoitecer

Cai a noite, esfria o vento
absorve o claro, surge o escuro
e o oportuno sereno
em gotas geladas
mudando a paisagem
que se esconde no horizonte
caindo na madrugada
numa beleza inocente escancarando
seus astros no noturno brilhante,
reluzente na gestosa criação
infinita da beleza da noite...










Gilliard Q. Xavier

PoemasVersosPoesias

PoemasVersosPoesias
A origem da vida...é o ciclo em movimento.

Esse Blog é para os amantes da poesia ,versos e poemas

Minha foto
ELDORADO DO SUL, RGS, Brazil
Um escritor que vive no anonimato Graduado em gestão imobiliária e licenciado em Geografia.